Artigos Destaque Opinião

Opinião – Tensão entre nacionalismo e globalismo está no 0 a 0

Mundo pós-Guerra Fria sai de cena; Parece o cenário pré-Primeira Guerra; Bolsonarismo quer bilateralismo; E se aproxima dos Estados Unidos

TENSÃO ENTRE NACIONALISMO E GLOBALISMO É NEUTRA, POIS AMBOS OS LADOS DA POLÍTICA VIVEM A CONTRADIÇÃO

O futuro governo Bolsonaro coloca-se contra o globalismo, definido por ele como a exigência de subordinação das nações a instâncias supranacionais dominadas por vetores fora do alcance do processo político de cada país. O termo não deve ser confundido com “globalização”, que é o novo nome de velhos fenômenos, bem descritos há um século por Rudolf Hilferding.

As duas coisas estão relacionadas, mas não são a mesma coisa. A essência do antiglobalismo, quando podado de seus aspectos patológico-conspiratórios, é o “aqui mandamos nós”. Associa-se ao chamado “populismo de direita”. Até pelo menos a passagem do milênio era o contrário: quem levantava a bandeira da luta contra a globalização era a esquerda.

Em algum momento isso mudou, e a esquerda passou a defender uma globalização “de face humana”, e portanto passou a tecer amizade com instâncias que poderiam impor essa “humanização”. A globalização “humana” é outra tese descendente de ideias já com um século nas costas, e que quando nasceram provocaram igual polêmica. Lavoisier tinha mesmo razão.

O pilar central da política externa do governo Bolsonaro promete ser o bilateralismo. No quarto de século de hegemonia tucano-petista foi o multilateralismo. Era visto como o caminho natural de um país desejoso de ser potência, mas que só tinha o soft power para pôr na mesa. E o Brasil deu gás ao multilateralismo, para estar em turma na hora das confusões.

O problema –para a esquerda– é aquele mundo do pós-Guerra Fria estar saindo de cena. E a realidade anda mais com a cara do pré-Primeira Guerra. Velhas potências ameaçadas de decadência e incomodadas com a ascensão de novas. Na boa? Situações assim não se resolvem em fóruns internacionais. Um bom exemplo são os movimentos dos Estados Unidos.

Pareceu maluquice quando Donald Trump abriu guerra, ao mesmo tempo, com o Nafta, a China, a União Europeia e os acordos do clima. Dois anos e muito bate-boca depois, Canadá e México toparam refazer o Nafta, a China topou to buy american e a UE topou gastar mais com sua defesa. E os acordos do clima -eu aposto- vão ser revistos para facilitar o desenvolvimento.

Os críticos do bolsonarismo dizem, com razão, que é um risco o Brasil agir como os Estados Unidos, pois o Brasil não é os Estados Unidos. Contra esse argumento, o novo regime desloca-se para virar forte aliado de Washington, esperando usar a força do amigo quando o bicho pegar. É arriscado, mas o caso Khashoggi mostra que Trump valoriza os amigos. E os negócios.

O novo governo diz que está defendendo os interesses do Brasil quando se aproxima dos Estados Unidos. Isso poderá ser medido em resultados. Vamos aguardar. Mas por enquanto o argumento dificulta a vida dos críticos. Inclusive porque os mesmos críticos vêm de políticas que pareciam subordinar os interesses nacionais do Brasil ao tal globalismo hoje estigmatizado.

Em miúdos, o bolsonarismo está algo blindado das acusações de entreguismo porque a esquerda vem aceitando há algum tempo a caracterização ideológica de que nacionalismo é algo ruim. Se é fácil caricaturar Bolsonaro quando bate continência para John Bolton, mais difícil é dizer-se nacionalista e atacá-lo quando critica o Acordo de Paris.

Se será complicado para Bolsonaro rodar simultaneamente os pratos da soberania e do ultraliberalismo, tampouco será simples para a oposição atacar o pró-americanismo do novo regime e ao mesmo tempo fazer coro à necessidade de o Brasil seguir caninamente as diretrizes da globalização “humana”. Enquanto ficar assim, esse jogo não sai do zero a zero.

 

 

 

Por Alon Feuerwerker, 63 anos, é jornalista e analista político e de comunicação na FSB Comunicação. Militou no movimento estudantil contra a ditadura militar nos anos 1970 e 1980. Já assessorou políticos do PT, PSDB, PC do B e PSB, entre outros. De 2006 a 2011 fez o Blog do Alon. Desde 2016, publica análises de conjuntura no blog alon.jor.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *