Tags:
Brasil Comércio Exterior Consumo Desenvolvimento Destaque Economia Futuro Econômico

Livre Comércio – Brasil e Chile selam acordo

Brasil e Chile assinaram hoje, (21.11) acordo de livre comércio, expandindo acordo atual com texto abrangente em temas não tarifários

Os ministros Marcos Jorge (Indústria, Comércio Exterior e Serviços) e Aloysio Nunes (Relações Exteriores), pelo lado brasileiro, e o chanceler chileno Roberto Ampuero assinam nesta 4ª feira (21.nov.2018) 1 acordo de livre comércio entre os 2 países.

O texto expande e atualiza os termos em vigor, assinados em 1996, responsável por eliminar tarifas de importação no intercâmbio bilateral de bens.

Com o novo acordo, os 2 países assumem compromissos em 24 áreas não tarifárias, que vão desde a facilitação de comércio e o comércio eletrônico à eliminação de cobrança de roaming internacional para dados e telefonia móvel. A cerimônia de assinatura do acordo será acompanhada pelos presidentes Michel Temer e Miguel Juan Sebastián Piñera.

O acordo determina normas em áreas como serviços, barreiras não tarifárias, boas práticas regulatórias, propriedade intelectual, incentivo à maior participação de micro, pequenas e médias empresas, comércio e meio ambiente, dentre outros. Também incorpora os acordos bilaterais já assinados entre Brasil e Chile sobre compras públicas e investimentos no setor financeiro em 2018 e o Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos, em 2015.

O comércio de bens entre Brasil e Chile se baseia atualmente no Acordo de Complementação Econômica, firmado entre o Mercosul e o Chile em 2014, que retirou as tarifas de importação no comércio de bens entre o Chile e os países do bloco.

Em 2018, até outubro, as exportações brasileiras para o Chile somaram US$ 4,2 bilhões, o que representou 1 crescimento de cerca de 25% na comparação com o mesmo período do ano passado. Já as importações brasileiras de produtos vindos do Chile foram de US$ 2,9 bilhões, com aumento de 0,8%. O fluxo comercial, no período, foi de US$ 8,1 bilhões –incremento de 15% em relação a janeiro-outubro de 2017.

 

 

 

Da Redação. Matéria publicada originalmente no site Poder360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *