Tags:
Agronegócio Brasil Destaque Economia Impostos Mato Grosso

Efeito Bloqueio – Ministro já aponta perdas por canibalismo no agronegócio

Mesmo diante do caos apresentado ao presidente Temer sobre vida dos milhares de animais para consumo, o governo parece não querer diminuir o seu ”custo de vida pública”

A coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo, relata neste sábado (26) que o ministro interino da Agricultura, Eumar Novacki, apresentou ao presidente Michel Temer um vídeo que mostra uma consequência perturbadora do protesto dos caminhoneiros: o canibalismo animal.

O material foi repassado a Novacki por representantes da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), que calcula que mais de 50 milhões de frangos tenham morrido em consequência da falta de ração e outros insumos alimentares. As imagens mostram animais ferindo-se mutuamente em criadouros.

Segundo a ABPA, mais de 1 bilhão de animais aguardam por alimentos que atualmente estão parados à beira das rodovias do país.

Na sexta-feira (25), a entidade registrou 152 plantas frigoríficas de aves e suínos paradas. “A situação setorial é caótica. Uma intervenção rápida e forte por parte do governo é urgente para evitar a mortandade de milhões de animais”, defendeu.

Até o momento, o governo não mencionou qualquer sinal de baixar os custos da vida nababesca que a classe política vive. Ainda pedem tempo para acharem uma solução. Solução essa que, se fosse somente para baixar os tributos e consequentemente a queda no preço final das bombas, precisariam apenas de algumas horas. Mas a solução que o governo busca, nada mais é que, como já dito em coletiva à imprensa em rede nacional, a busca de onde sairá a compensação dos possíveis números subtraídos dos impostos dos combustíveis.

Enquanto isso, animais padecem. Matérias primas se primas se perdem. A população em calamidade e o governo…pensando em como fazer para não deixar de comer ”filé”.

 

Da Redação com informações do Painel-Folha de S.Paulo e Pinga Fogo-MídiaNwes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *