Tags:
Agronegócio Balança Comercial Brasil China Comércio Exterior Commodities Destaque Economia Futuro Econômico Mato Grosso Mundo Oriente Médio

Economia – ”Brasil se afastar de China e países árabes prejudica agronegócio”, diz Blairo

Manifestação do ministro, expõe preocupação as intenções do presidente eleito, Jair Bolsonaro, com o setor de maior força para a economia no país – o Agro

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, disse nesta 6ª feira (14.nov.2018) que 1 possível distanciamento do Brasil com a China e os países árabes por conta de declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro, pode prejudicar o agronegócio brasileiro.

Blairo destacou, por exemplo, que quase 50% das exportações brasileiras de carne de frango vão para países árabes.

“Não temos essa vontade de ser o líder do mundo. Não temos condições de ser o líder do mundo, então porque vamos fazer enfrentamentos dessa ordem? Em torno de 50% das exportações brasileiras de frango vai para países árabes. Você perder isso significa problemas para as nossas empresas”, disse.

Logo após ser eleito, Bolsonaro disse ao jornal Israel Hayom que irá transferir a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, o que incomoda alguns países de origem árabe.

O ministro apresentou 1 balanço de sua gestão à frente da pasta nesta 6ª. Segundo ele, a adoção de medidas para reduzir a interferência política na inspeção de produtos, motivada pela Operação Carne Fraca, foi uma das principais mudanças.

A previsão do ministério para as exportações do agronegócio brasileiro é positiva. A expectativa é que as vendas ultrapassem, em 2018, a barreira dos US$ 100 bilhões.

“Será a 1ª vez que o agronegócio vai ultrapassar a barreira dos US$ 100 bilhões. Já exportamos US$ 99 bilhões em 2013”, afirmou.

TEREZA CRISTINA TERÁ QUE TER “MUITA ENERGIA”

Durante entrevista à imprensa nesta 6ª, Maggi afirmou que a próxima ministra terá grandes trabalhos para conseguir reunir as novas estruturas que vão integrar o futuro ministério. Segundo ele, a mudança vai “demandar muita energia por parte dela”.

O futuro governo pretende reunir áreas que atualmente estão fora do ministério, como a agricultura familiar, o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), a Anater (secretaria de assuntos fundiários, a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural) e a pesca.

“Tem uma série de coisas que terá que ter uma atenção muito grande para fazer essa integração. A pesca passou aqui conosco algum tempo. E nós não conseguimos colocar no nosso portfólio e eixo de como fazer. Então, a volta dela vai ser mais uma vez complicada”, afirmou.

Maggi afirmou que tem tido conversas frequentes com a futura ministra da pasta, Tereza Cristina. Uma das recomendações, segundo ele, foi a manutenção de visitas internacionais e as negociações para abrir novos mercados para produtos brasileiros.

Segundo o ministério, nos últimos 2 anos e meio, o Brasil conseguiu abrir mercado para 78 produtos brasileiros em 30 países.

 

 

 

Da Redação. Matéria publicada originalmente no site Poder360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *