Category Archives: Opinião

Artigos Destaque Opinião

Opinião – O livre pensar é o novo apelido da velha heresia

Publicado por

”Repararam o quanto atacou-se a pessoa? Poucos atacaram as ideias. A estes, parabéns! Aos demais, a imagem que me vem é a de mandíbulas nervosas e trêmulas em que o rosnado é o único argumento”

Eis-me aqui, compadecido, condoendo-me e suplicando-vos perdão, bolsominions, esquedominions: eu pequei! É minha culpa, minha tão grande culpa, a de ter expressado meu desprezível livre arbítrio aqui, neste espaço, em duas ocasiões. E vós, meus juízes, vós tendes razão. Primeiro, os sábios vereditos exarados pelos doutos esquerdominions quando cometi a heresia de dizer que, sim, Jair Bolsonaro não é apenas um amontoado de erros. Ele tem virtudes. E muitas. Seguem alguns trechos de minhas sentenças condentorias:

– Está ganhando quanto para defender o indefensável?

– O autor aponta méritos e tenta justifica-lós de maneira tão grotesca quanto o presidente. O autor é um bozominion!

– Quem concorda com um presidente que admira/homenageia torturador assassino é tão bandido quanto ele.

– Vão pro inferno com o BOZO.

– Tem certeza que esse jornalista tá bem?

– Essa peruca combina com a sua cara Mario 🌹.

– O Bolsonaro é Bozo e o cara que escreveu o artista é o Patatá, só sendo um palhaço para escrever uma baboseira dessas.

– Vou começar a tomar LSD, crack e ecstasy e sentar para escrever sobre o governo.

– Vergonha de matéria.

– Esse Mario Rosa quer ser polêmico. Só por isso escreve bobagem. Sem contar que é aliado do fascista ditador.

– Bozo agora vai ser esse palhaço que escreveu esse texto.

– Muito cara de pau!! Perdeu bolsominion!!

– PQP!!!

(Ah, sim, ainda fui aquinhoado com um simpático emoji de um porco defecando).

Mas o pândego aqui não poderia apenas ver virtudes em Bolsonaro. E, se visse, teria de ficar confinado ao lado que lhe cabe no muro de Berlin do debate político, sobretudo o das redes sociais. Qual o que!

Não é que o paspalho, eu, afrontei a audiência com outra insolência do livre pensar e – sem pedir licença – escrevi logo na coluna seguinte que a prisão de Lula é injusta, pois não há provas cabais e técnicas acima de qualquer dúvida razoável contra ele no caso do triplex do Guarujá?

Eu mereço! Eu mereço! E fizeram bem meus verdugos bolsominions: quem sabe desta vez eu aprendo! Fui sentenciando com a máxima dosímetria da sensatez pelos meus magistrados:

– Vai dar meia hora Mario 🌹…ainda tá caçando pelo em ovo.

– VA.GA.BUN.DO!!!

– Que incoerência!

– Chora Petezada

– Contraditório não?

– Pqp…vá se ferrar! Isso tem outro nome! CANALHICE!

– CARALHO! O estagiário não acompanhou a delação do Palocci? Meu Deus, é muita insanidade dessa mídia.

– Kkkkkk

– É areia nos olhos do povo – idiotas úteis, mas especialmente idiotas.

(Sinceramente, até que me surpreendi com o relativamente “civilizado” volume de insultos nesse tema. Muita gente, sobre Lula, até argumentou).

Atenção viajantes da história que passarem por esta remota época um dia: eu lhes deixo o relato de tempos estranhos, em que a opinião, a visão própria, o olhar sem viés estava temporariamente banido, interditado. É como se estivéssemos indo a um estádio de futebol não para assistir à partida, mas apenas para fazer parte de uma torcida organizada. O espetáculo pouco importa.

Os jogadores pouco importam. O próprio resultado tanto faz. As torcidas organizadas deste tempo querem ser o próprio espetáculo. É como se o futebol girasse em torno delas e não dos ídolos, dos lances de beleza, dos dribles.

As torcidas organizadas querem que o futebol seja um jogo em que as pessoas se desloquem para o estádio para assistirem aos hinos, gritos de guerra e chacota dos torcedores e não aos jogadores.

Então, estava proibido gritar gol nesta era. Estava proibido fazer o que fez a torcida do Real Madrid, que aplaudiu de pé, em pleno Santiago Bernabeu, uma partida espetacular de Ronaldinho Gaúcho, envergando a camiseta do odiado rival Barcelona.

Alguém não pode achar que Bolsonaro tem qualidades por não ser um político convencional e, por isso mesmo, ter uma abordagem disruptiva que tem inúmeros aspectos positivos para o país? E esse mesmo alguém não pode ao mesmo tempo achar que a prisão de Lula no caso do triplex é uma injustiça que mancha o nosso presente e que, enquanto estamos nesse presente, podemos fazer algo para não levar essa mácula para o futuro?

Repararam o quanto atacou-se a pessoa? Poucos atacaram as ideias. A estes, parabéns! Aos demais, a imagem que me vem é a de mandíbulas nervosas e trêmulas em que o rosnado é o único argumento e a fera, babando, procura intimidar o passante, exposto ao iminente bote de um cachorro louco.

De minha parte, eu agradeço humildemente cada tomate arremessado, cada vaia estravazada do fundo dos pulmões. São aplausos inundados de bílis. Obrigado! Mas, agradecimentos à parte, fica a questão central. Viramos o que? Ratos pavlovianos? Só podemos repetir mantras? Então vai aqui o meu:

– Viva o livre pensar, Johnny Bravo e Lula Livre, porra!

Será que viraliza?

Por Mario Rosa, 54 anos, é 1 dos mais renomados consultores de crise do Brasil. Foi o autor do prefácio do primeiro plano de gerenciamento de crises do Exército Brasileiro. Atuou como jornalista e consultor.